Sua Empresa é Ética?


Uma empresa tem como fim maior o seu lucro. Todos concordam com essa premissa. Sem lucro, a empresa não tem como investir e fechará suas portas rapidamente. Ninguém admira uma empresa que não dá lucros. Nem os funcionários, nem o governo, nem os clientes e fornecedores e muito menos os sócios. O problema não é o lucro. O problema é como o lucro é construído.


Sem uma Cultura Ética e Moral verdadeiramente instalada, o lucro pode ser construído de várias formas. A mais conhecida, é forjado por “atalhos”.

O que chamo de Cultura Ética e Moral, não são apenas os Códigos de Conduta, as políticas de compliance e governança, e fazer a coisa certa etc. A Cultura Ética e Moral perpassa essas regras normativas e jurídicas, buscando o desenvolvimento genuíno de uma consciência mais elevada e construtiva.


Para desenvolver a Cultura Ética e Moral em uma empresa, é necessário o conhecimento estruturado e profundo de ética e moral. A maioria dos brasileiros desconhece esse saber. Confundem com valores familiares, valores religiosos e valores cívicos. Tudo isso é importante, mas esses valores fazem parte da “régua” individual que cada um utiliza para emitir juízos sobre dilemas do dia a dia. O conhecimento ético e moral é mais profundo que esses valores.


Os atalhos utilizados para chegar o lucro, em geral, são: caixa dois obtido pela não emissão de notas fiscais, sonegação de impostos, não recolhimento de direitos trabalhistas, compra de insumos sem nota fiscal, emissão de notas parciais e outras mazelas. Quando você conversa com um executivo sobre isso, ele sempre diz que ninguém mais sabe na empresa, que só ele e mais umas duas ou três pessoas, e que está tudo sob controle. Que ele faz isso porque o volume de impostos no Brasil é muito grande e que não há alternativas para operar no mercado que ele está inserido. Afirma também que todos no seu mercado fazem isso e, se ele não fizer, não ficará competitivo.


Isso tudo é verdade. Uma empresa começa fazendo isso e quase todas as seguem, mesmo sabendo dos riscos. É um círculo vicioso instalado, onde ninguém quer quebrar essa “corrente” para disciplinar o mercado e operar de forma ética e moral.


O que fazer então?

Sempre digo que, para assumir uma postura ética e moral verdadeira, é preciso ter coragem e pensar em deixar um legado para as futuras gerações. A energia que o empresário gasta para sonegar é infinitamente maior do que ele gastaria em fazer a coisa certa. O problema aqui é saber como.


Geralmente, as pessoas que cercam o empresário antiético e imoral, são também antiéticas e imorais. A solução para reverter esse processo, com certeza não passa pelos colaboradores. Somente alguém que entenda de ética e moral profundamente além dos aspectos da gestão de negócios é que poderá ajudar o empresário a sair do círculo vicioso que se encontra. É um caminho lento, difícil e que precisa de consciência evoluída para buscar outros patamares do empreendimento.


Esse caminho começa com o conhecimento profundo e estruturado do que é ética e moral. Mas não é buscando esse conhecimento com a área jurídica/auditoria, no Google ou ainda lendo alguns livros atuais escritos por pessoas que acreditam saber o que é ética e moral.

O campo da Ética e Moral é a filosofia. É lá que esses temas nasceram há 2.500 anos e é lá que evoluíram até os dias atuais. Querer saber de ética e moral, sem passar pela filosofia/filósofos é querer ser cardiologista sem passar pela medicina. Não há como. Também, buscar o conhecimento de ética e moral com filósofos que não são especializados nos temas, como os Standup Philosopher’s é perda tempo. Ninguém implanta uma cultura ética com máximas retiradas dos livros dos grandes pensadores.


Tenha cuidado em discutir ética e moral com pessoas que sabem menos que você. Te levará a conclusões equivocadas. A seguir um quadro resumido sobre ética e moral.
5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo