Cultura Organizacional


O conceito de cultura tem dois significados básicos. O primeiro, mais antigo e clássico, significa a formação do homem, sua melhoria e seu refinamento. Os gregos antigos chamavam de paidéia. O segundo, podemos o definir como a rede de significados que dão sentido ao mundo que cerca um indivíduo, ou seja, a sociedade. Essa rede engloba um conjunto de diversos aspectos, como crenças, valores, costumes, leis, moral, línguas, etc. Nesse significado, a cultura não é a formação do indivíduo em sua humanidade, nem em sua maturidade espiritual, mas é a formação coletiva e anônima de um grupo social nas instituições que o definem.


A Cultura Organizacional nada mais é que o segundo significado, ou seja, sai a visão singular e entra a visão plural de cultura. É a tentativa de levar para uma organização os aspectos macros (gerais) em detrimento aos aspectos micros (individuais).


Na verdade, a cultura organizacional contemporânea tende a ser apenas normativa, criando “o que pode” e “o que não pode” em um ambiente coletivo. Cria-se a “média” do que os indivíduos acreditam: dos seus valores, dos seus costumes, das suas condutas e assim por diante. No final, fica algo como: Você comeu um frango, eu não comi nada e na média, comemos meio frango cada um.